Sem categoria

Para 2018 o tema da Campanha da Fraternidade (CF) 2018 é “Fraternidade e superação da violência” e o lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8). O seu objetivo é “Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência” (CF 2018 Texto-Base).

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove todos os anos a  CF que tem início no período quaresmal – tempo em que o cristão é convocado à conversão, à mudança de vida. A Campanha da Fraternidade é um “caminho pessoal, comunitário e social que visibilize a salvação paterna de Deus”, explicou Dom Leonardo Ulrich Steiner, Bispo Auxiliar de Brasília e Secretário-Geral da CNBB, no subsídio CF 2018 Texto-Base.

Igreja X Violência

A humanidade tem vivido oprimida diante das inúmeras formas de violência que perturbam sua paz: agressividade nos gestos e palavras, mortes, corrupção, drogas. Uma realidade que demonstra que o ser humano tem perdido a capacidade de viver como irmãos  –o que precisa ser resgatado.

À luz da palavra de Deus, a Igreja quer unir forças com os cristãos buscando meios de libertar-se da violência. A própria Sagrada Escritura está repleta de episódios de violência, sobretudo no Antigo Testamento desde o livro do Gênesis, quando “o pecado passa a fazer parte da história humana sussurrando o mal em seu ouvido” (CF 2018 Texto-Base n. 153), passando pelos Salmos e pelo livro das Lamentações. Contudo, em todos esses episódios, aponta o documento da CNBB, “a oração e a confiança em Deus são as únicas armas utilizadas pelos não violentos” (CF 2018 Texto-Base n. 163) para combater o mal.

Já no Novo Testamento, Cristo emerge do caos oferecendo e pregando o amor. Para combater a violência Ele pediu: “Convertei-vos e crede no Evangelho”! (MC 1,12-15). Jesus chama a atenção dos seus discípulos alertando-os que a violência brota do interior da pessoa: “é de dentro, do coração humano, que saem as más intenções: imoralidade sexual, roubos, homicídios, adultérios, ambições desmedidas, perversidades; fraude, devassidão, inveja, calúnia, orgulho e insensatez. Todas essas coisas saem de dentro, e são elas que tornam alguém impuro” (Mc 7, 21-23).


É, portanto, o coração humano que precisa ser pacificado. “A superação da violência passa necessariamente pela conversão dos atos do homem que pressupõe uma conversão de seu coração” (CF 2018 Texto-Base n. 172). A Igreja aponta a espiritualidade como o “instrumento necessário” para extirpar o mal: “brilhe a vossa luz diante das pessoas, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5,16).

Ao longo desse ano litúrgico  CF 2018 quer recordar que “a promoção da paz se torna um ministério de todo cristão” (CF 2018 Texto-Base n. 169). Por isso nos convida a promover a paz por meio da reconciliação e da misericórdia. Se a violência se caracteriza pela ausência do amor e da fraternidade, cabe a cada cristão amar e semear o amor, pois somos filhos amados de Deus.

 

 

11 Comentários

  1. Boa noite!!
    Paz de Cristo,
    Obrigada pela iniciativa de oferecer cursos Olaine gratuito sobre o temas da Campanha da Fraternidade, com certeza vai nos trazer luzes para nosso trabalhode Evangelização, principalmente sobre um terma tao forte e necessário na atualidade.

  2. A Sagrada Escritura já nos alerta que o mal sai da boca e do coração do ser humano. Então o convite é para que nossa conversão ao longo deste ano seja do coração, do nosso interior, aprofundando a espiritualidade, intensificando nossos encontros com Jesus misericordioso que nos ensina a mansidão, o perdão, o amor, a paz, e educa nosso agir para a construção de um mundo onde todos somos irmãos. Estamos em um tempo favorável e a Igreja, com esta Campanha está nos oportunizando a crescermos como filhos amados de Deus e capazes de servir e doar-se aos irmãos que ainda se encontram em situações de dificuldades ou vulnerabilidade. Senhor Deus, dai-nos a graça de fazer a experiência de sermos mais filhos seus e irmãos das pessoas que colocas em nosso caminho no dia-a-dia.

  3. Vamos lá. Tenho acompanhado todas as CF desde que se iniciaram. Não há que se negar o valor e o bem que encerram em seus temas e lemas. Textos e materiais cada vez mais bem elaborados. A divulgação em nossas igrejas e na mídia não deixa nada a desejar não só entre nós católicos mas também entre os membros de outras igrejas.
    No entanto uma preocupação se faz presente quanto a curta duração e a sua concretização. (Agir) Passados os dias da quaresma outras”preocupações” assumem o lugar da CF atual e tudo entra no esquecimento.
    Uma riqueza impagável como a CF precisa chegar onde de fato as mudanças devam acontecer.
    Vou continuar rezando sempre e seguir as orientações da minha paróquia.
    M.Sergio S. Custódio

  4. Pequenos atos de caridade no seu dia a dia, são o início de um trabalho missionário; levar a palavra aos que estão desenganados, em qualquer ambiente ou situação é parte fundamental da evangelização proposta por Cristo. Mas, acima de tudo ser manso e humilde de coração com Jesus Cristo.
    A primeira gota d´água inicia uma corrente caudalosa; uma semente, por pequena que seja se torna em uma árvore frondosa; um ato de mansidão evita uma catástrofe, uma briga, uma guerra.
    Exemplo atual: O Presidente da Coréia do Sul, acolheu seus irmão da Coréia do Norte e aceitou ou propôs o diálogo a fim de unir ou acabar com a inimizade entre dois povos (que são um só).

  5. Boa noite. Estou acompanhando a CF 2018 com muito entusiasmo. Assisti as vídeo aulas, li o texto base, participei de formação Regional e Diocesana, mas sinto que ainda falta, pois o tema é muito complexo. Nesse sentido todo o material que a CNBB está disponibilizando está sendo fundamental. Muito obrigado aos nossos Bispos e a todos os que estão assessorando.

  6. Boa noite!
    Obrigada por nos proporcionar um curso online que nos ajude a refletir sobre um tema muito forte que se propaga ao longo da história da humanidade.

  7. Feliz por estar podendo estudar detalhadamente a Campanha da Fraternidade desse ano de 2018. Td muito explicativo e de fácil entendimento.Obrigada

  8. Primeiro preciso de um exame de consciência para identificar os pontos que sou violento dentro de casa (modo de falar com esposa, filhos e familiares). Preciso tomar conhecimento destes pontos (em oração pedindo o auxílio do Espírito Santo). A partir daí uma conversão do coração para que as minhas atitudes não seja violenta e do meu coração possa sair a vontade Deus! Vamos que vamos combater essa violência que tanto oprime e que é passada para outras gerações!

  9. Boa Noite!
    Essa reflexão nos ajudará a manter sempre o foco no caminho do discipulado, um caminhar difícil, árduo, assim como o próprio Cristo nos informou “- se queres ser meu discípulo, tomai sua cruz e me siga…” Nessa quaresma que se iniciou há alguns dias o Brasil assiste estarrecido a votação sobre a intervenção militar no Rio, dias esses atrás que a CNBB lá no congresso apresentou o projeto da campanha, parece até que com essa ação os congressistas não escutaram a voz da igreja.
    Viveremos nossa caminhada principalmente na quaresma, sermos tentados no deserto. Os meios de comunicação tenta nos ilude vendendo que contra a violência resolveremos os problemas da nação com mais violência.
    Que com essa campanha sejamos assim como em seu lema MT “sermos irmãos” digo também no mesmo MT ” sermos sal e luz do mundo. Reflitamos a cada dia e que o evangelho de Cristo de Hoje também de MT chamemos com honra esse Deus de “PAI NOSSO”.

  10. Obrigado!!!
    Trabalhar o tema VIOLÊNCIA nos dias de hoje é sempre um desafio muito grande. A violência é um mal que esta enraizado na nossa sociedade. Qual quer ajuda é sempre bem vinda. Paz e bem!!!!

  11. Que bom podermos tomar conhecimento de forma tão detalhada cá Campanha da Fraternidade /2018 que nos aponta caminhos para superar a violência. Obrigada a todos que fazem cnbbblog.com, ao Monsenhor Jamil por disponibilizar os conteúdos para estudo online. Deus os abençoe. Ah! Hoje à noite, (14/03) o nosso pároco, o Senhor Bispo diocesano, o juiz da comarca, professora da
    UFPE e os paroquianos estarão em mesa redonda na praça da Igreja Matriz de Santo Antônio, para discutir e encontrar caminhos pela paz. Frutos da CF/2018.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.